Empresas gastam quase 600 horas com burocracia tributária no Brasil

Empresas gastam quase 600 horas com burocracia tributária no Brasil

País ainda está muito atrás de EUA, Chile e Argentina, onde as exigências fiscais tomam no máximo 405 horas anualmente

Um estudo realizado pela Receita Federal do Brasil – RFB, em parceria com a Federação Nacional das Empresas de Contabilidade – Fenacon, concluiu que as empresas no Brasil gastam em torno de 600 horas, ou seja, 25 dias por ano para cumprir suas obrigações fiscais, tais como o cálculo de impostos e contribuições e preenchimento de obrigações.

Vale ressaltar que o estudo foi realizado levando-se em consideração uma empresa com 60 funcionários. A simulação considerou ainda que a empresa teria que atuar em um único Estado e deveria estar localizada nos Estados de São Paulo ou Rio de Janeiro.

A conclusão foi que ICMS, IPI e contribuições consumiriam 373,2 horas. Para o cálculo e preenchimento do IRPJ e da CSLL seriam necessárias mais 116 horas, enquanto que a folha de pagamento tomaria 97,2 horas.

Os dados obtidos pela Receita e pela Fenacon colocam o Brasil muito atrás de países como EUA, Chile e Argentina, onde a burocracia tributária exige das empresas locais 175, 291 e 405 horas, respectivamente. Por outro lado, é melhor que a conclusão obtida por um levantamento amplamente divulgado pelo Banco Mundial, segundo o qual as obrigações fiscais no Brasil exigem 2.600 horas anualmente.

“O importante não é saber se são 600 horas ou 2.600 horas, mas sim avaliar se a sua empresa tem mantido procedimentos efetivos e eficientes no cumprimento de suas exigências fiscais”, diz Marcelo Ferreira, supervisor tributário da Easy-Way do Brasil, uma das maiores desenvolvedoras de sistemas fiscais, tributários e contábeis do país.

Para o especialista, com uma política tributária tão burocratizada e custosa, qualquer ganho de eficiência no pagamento de impostos, bem como a confiabilidade nos processos realizados, podem significar uma vantagem competitiva muito grande para as empresas. Por isso é tão importante que as empresas estejam sempre atentas a melhorias em seus departamentos fiscais e tributários, considerando a automação para apuração dos impostos e geração das obrigações.

“Certamente as empresas com um maior nível de automatização em seus departamentos tributários vão conseguir mais confiabilidade e segurança nos processos, cumprindo as obrigatoriedades em menor tempo, com mais transparência e tranquilidade, além de evitar multas e autuações”, avalia Ferreira.