Entidades empresariais pedem o adiamento do eSocial

Entidades empresariais pedem o adiamento do eSocial

Pedido foi justificado pelos atrasos ocorridos recentemente no cronograma de testes do processo de implantação da nova obrigação

O Grupo de Trabalho Confederativo – GTC do eSocial discutiu durante sua última reunião, realizada no dia 15 de março, em Brasília, o adiamento da entrada em vigor da nova obrigação.

O GTC reúne-se periodicamente para discutir o processo de implantação do eSocial e inclui representantes do Governo Federal – como Ministério do Trabalho e Emprego, Receita Federal, Previdência Social, INSS e Caixa Econômica Federal – e do setor privado – como Confederação Nacional da Indústria, Confederação Nacional do Comércio, Confederação Nacional da Agricultura, Federação Nacional de Empresas de Contabilidade, empresas de software e cooperativas empresariais, dentre outros participantes.

O pedido de adiamento da entrada em vigor do eSocial foi realizado pelos representantes do setor privado em virtude de alguns atrasos ocorridos no cronograma de testes que faz parte do processo de implantação da nova obrigação. A proposta foi bem recebida pelos órgãos do Governo e será agora avaliada.

Se a prorrogação do período de testes for rejeitada, o eSocial passa a vigorar a partir de setembro deste ano para das companhias com faturamento acima de R$ 78 milhões e em janeiro de 2017 para todas as empresas.

A exceção seria o módulo trabalhista, que reúne dados sobre o ambiente e acidentes de trabalho e saúde do trabalhador, que passaria a vigorar em janeiro de 2017 para as companhias com faturamento igual ou acima de R$ 78 milhões e em julho do mesmo ano para as demais empresas.

“O leiaute do eSocial ainda está passando por ajustes, mas o projeto já está bem delineado, por isso, esse período de testes é fundamental para que as empresas consigam se adaptar a todas as peculiaridades da nova obrigação”, diz Marcelo Ferreira, supervisor tributário da Easy-Way do Brasil, uma das maiores desenvolvedoras de sistemas tributários, fiscais e contábeis do país.

O especialista alerta que independente do prazo ser adiado ou não, as empresas têm que estar atentas a todas as exigências da nova obrigação para conseguirem adaptar seus processos internos.

A Easy-Way do Brasil vem acompanhando o desenvolvimento da nova obrigação para atualizar o Easy-eSocial, sistema criado para a nova obrigação, de acordo com os últimos parâmetros divulgados pelo Projeto Piloto do Sped Social.