Governo publica manual e layout do eSocial

Governo publica manual e layout do eSocial

A partir de agora empresas optantes pelo lucro real com faturamento anual acima de R$ 78 milhões terão um ano para aderirem ao novo Sped Social

Agora é oficial: dentro de um ano o eSocial entrará em vigor. O Governo Federal publicou o manual 2.0 e os layouts do eSocial, o que significa que, a partir de agora, as empresas terão seis meses para adaptarem seus sistemas e posteriormente mais seis meses para inserirem dados em um ambiente de teste.

Após esse período, o novo Sped Social passará a ser obrigatório. Inicialmente a obrigatoriedade será apenas para companhias optantes pelo lucro real com faturamento anual acima de R$ 78 milhões, mas, progressivamente, será uma exigência para as empresas de todos os portes e empregadores domésticos.

A Receita Federal e o Ministério do Trabalho afirmaram que em março deve ser publicado o cronograma oficial com os prazos para entrada em vigor do eSocial para cada segmento de empresas.

Com as informações publicadas no manual e no layout do eSocial, a Easy-Way do Brasil, uma das maiores desenvolvedoras de sistemas tributários, fiscais e contábeis do país, já começou a trabalhar na adaptação do Easy-eSocial, o sistema desenvolvido pela empresa para atender a nova obrigação. A solução será disponibilizada aos clientes em tempo hábil para que os mesmos possam cumprir a nova exigência.

“O Easy-eSocial, além de gerar e transmitir os eventos do eSocial, será também uma importante ferramenta para conferência e controle dos fatos relacionados à área de recursos humanos e do pagamento de colaboradores da empresa”, diz Marcelo Ferreira, supervisor tributário da Easy-Way.

De acordo com o especialista, esse é o momento no qual as empresas precisam revisar e padronizar suas bases de dados e procedimentos internos, a fim de estarem prontas para criar a interface entre seus sistemas internos e as exigências do novo Sped Social.

Segundo o especialista, muitas companhias ainda não começaram a se preparar para o eSocial, ou se o fizeram, ainda estão em um estágio inicial, o que pode provocar um sério problema para as mesmas quando a obrigação passar a ser exigida.

“Certamente, quando o prazo se aproximar do fim, vamos ver um movimento intenso de companhias buscando sistemas para atenderem as exigências do eSocial, mas se elas não tiverem realizado uma adequação interna previamente, esse processo pode não ter os resultados esperados”, alerta Ferreira.

De acordo com o especialista, as empresas que não tiverem com bancos de dados unificados e atualizados, correm o risco de apresentar inconsistências quando tiverem que repassar as informações para o novo ambiente do Sped Social, o que certamente trará uma série de problemas para a empresa.